Remediação de Áreas Contaminadas por Cromo Hexavalente: Relato sobre Gerenciamento de Projeto

Rizia Miranda Aguiar, Marcelo Luiz Dias da Silva Gabriel

Resumo


Com a mudança de abordagem da sociedade em direção a um entendimento mais amplo sobre os limites e restrições impostos a processos e produtos e sobre a consequente necessidade de mitigar danos passados para garantir um presente adequado que não comprometa as gerações futuras este relato apresenta os resultados de um projeto de remediação de área contaminada por cromo hexavalente na cidade de São Paulo, com o objetivo de validar as práticas preconizadas pela literatura e apresentar os resultados advindos da gestão do projeto que, além de seus aspectos técnicos e tecnológicos, contemplasse também o desenvolvimento do método e suas etapas dentro do escopo da Gestão de Projetos. Os resultados encontrados demonstram a eficiência e eficácia do método apresentado e das etapas seguidas na consecução da remediação que permitiram a sistematização do processo na forma de um roteiro. Conclui-se que o exemplo estudado permite aos futuros pesquisadores e profissionais a sua reprodução, constituindo-se em metodologia aplicada com base teórica e empírica.

Palavras-chave


relato técnico; gestão de projetos; remediação de áreas contaminadas; cromo hexavalente

Texto completo:

PDF

Referências


Barbieri, J. C. (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Brito, G. C. B., & Vasconcelos, F. C. W. (2012). A gestão de áreas contaminadas em Minas Gerais: o licenciamento como instrumento preventivo. Revista de Gestão Social e Ambiental-RGSA, 6(2), 19-32.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB (2007). Decisão de Diretoria nº 103/2007/C/E, de 22 de junho de 2007. Dispõe sobre o procedimento para gerenciamento de áreas contaminadas. Acessado em 30 junho, 2013, de: http://www.cetesb.sp.gov.br/Solo/areas_contaminadas/proced_gerenciamento_ac.pdf

_____. Texto explicativo, relação de áreas contaminadas e reabilitadas no Estado de São Paulo. Acessado em 23 junho, 2013, de: http://www.cetesb.sp.gov.br/userfiles/file/areas-contaminadas/2012/texto-explicativo.pdf

CNTL. Implementação de programas de produção mais limpa. Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI-RS/UNIDO/UNEP (Ed.). 2003. 44p.

EPA. In situ treatment of soil and groundwater contaminated with chromium. Technical Resource Guide. EPA/625/R-00/005. Washington, DC. 2000. http://www.epa.gov/nrmrl/pubs/625r00005/625r00005.pdf (acessado em julho de 2013).

Fruchter, J. (2002). Peer Reviewed: In-Situ Treatment of Chromium-Contaminated Groundwater. Environmental science & technology, 36(23), 464A-472A.

Franco, D. V. (2008). Tratamento redutivo de solo e água subterrânea contaminados por cromo hexavalente. (Tese de doutorado). Instituto de Química – Unicamp, Campinas.

Hashim, M. A., Mukhopadhyay, S., Sahu, J. N., & Sengupta, B. (2011). Remediation technologies for heavy metal contaminated groundwater. Journal of environmental management, 92(10), 2355-2388.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Jacobi, P. R., Günther, W. M. R., & Giatti, L. L. (2012). Agenda 21 e Governança. Estudos avançados. 26 (74), 331-339.

Stanin, F.T. (2005). The transport and fate of chromium (VI) in the environment. In: Guertin, J., Jacobs, J.A., & Aavakian, C.P. Cr (VI) Handbook. New York: CRC Press.

Yin, R. K. (2011) Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Wilkin, R. T., Su, C., Ford, R. G., & Paul, C. J. (2005). Chromium-removal processes during groundwater remediation by a zerovalent iron permeable reactive barrier. Environmental science & technology, 39(12), 4599-4605.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585%2Fiptec.v2i1.15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista InovaçãoProjetos e Tecnologias - IPTEC / e-ISSN:2318-9851

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.